E evitar a sensação de solidão


E dizia Saramago, repetidas vezes: leiam, leiam, leiam.
"Talvez não tenha José dito isto, mas escrevo-o eu agora: graças aos livros e às pessoas que eles contém, podemos evitar a sensação de orfandade e solidão que tantas vezes nos espreita. Sabendo dos outros que foram, de um passado que por abrir um livro se torna presente, podemos reconhecer-nos a nós próprios, ao mesmo tempo que nos situamos numa comunidade de conhecimento que nos justifica e dignifica." 
Dos Diários de Pilar, a esposa, em 29 de janeiro de 1996 (quando de uma passagem pelo Brasil). O trecho está incluído em Cadernos de Lanzarotte II

* * *

"E no dia seguinte, ninguém morreu." 
As intermitências da morte, José Saramago.

* * *

- "O pior que da morte é que antes estavas, e agora já não estás mais". 
(Em entrevista a Edney Silvestre. Parte 1 - Parte 2)

- "A democracia em que vivemos é uma democracia sequestrada, condicionada, amputada...". Sobre a falsa democracia.

- Uma bela galeria de imagens feita pelo jornal Público, de Portugal.

- Participação no Roda Viva, da TV Cultura, em 1997. Aqui.

* Foto que fiz no lançamento de "Caim" em Lisboa, em dezembro de 2009, Saramago e seu editor português.

Comentários

Fred disse…
Escutei a notícia hoje pelo rádio, enquanto dirigia. Sabia que haveria repercussão por aqui. Boas leituras, sempre. Abs.